Lágrimas e Dúvidas

Por Mário Bross.

Hoje senti o gosto salgado de minha emoção em meus lábios tremulos, quando duvidei se o que eu mesmo fiz, foi verdadeiro em meu passado ligeiro. Se estiveram aqui comigo, o tempo inteiro: O terremoto em meu peito, a tempestade em minha cabeça. Percebi que sou combústivel, que faço diferença.Que talvez fui alguém até o agora e o então. Mas persiste em mim a interrogação, de que não fui sincero ou não agi certo. De que não fui leal com minhas próprias escolhas.

Quando Senhor verei a cor da saudade, sem nenhum sentimento de dúvida? Parece existir alguém de um poder maior, minha mente. Um complexo de inferioridade preso dentro dessa bolha enigmática do “eu”, que quando sai para o mundo, se transforma, iludido nessa eterna fantasia de se achar o melhor. Um conflito claro de alguém que está perdido. Mas sei que existe uma felicidade honesta e real quando estou seguro ao lado da imperfeição dela, minha flor e meu petróleo; me sinto útil.

Mas Senhor, não me diga que a depressão alheia me traz alívio e contentamento por ser maior que a minha própria, que talvez possa até existir, mas não vou querer acreditar. Meu entendimento de Amor, corre quilômetros a frente disso. É nele que perpetuo meus sinônimos de tudo que existe, morto ou vivo.

Só queria saber mesmo é como viver tranquilo.

1469768400_086a24dcea_m.jpg

SOBRE O AUTOR
Mário Bross é vocalista, letrista e compositor no Wry, banda brasileira
que fundi sons experimentais com frenquências pop. Também promove uma noite num dos top venue de Londres, o Buffalo Bar, chamada Goonite Club. Gosta de escrever. Não é escritor, não é poeta e nem professor de nada, mas adora expor seus pensamentos no seu blog
chamado ONDAS.

Publicado primeiramente no 3:AM Magazine: Wednesday, October 3rd, 2007.